Sempre que penso em escrever uma resenha de livro me sinto dividida entre contar demais (e acabar dando spoiler), e entre contar menos do que deveria (e parecer uma resenha superficial), aí percebo que acabo achando melhor falar sobre a sinopse de um jeito mais detalhado do que aquele textinho que encontramos nos sites das livrarias, e finalizar com a minha opinião sobre a leitura…

O livro de hoje é especial para mim, ganhei no 3º colegial do professor de História da escola, ele era (e ainda é) um senhor muito inteligente, que viveu a época da repressão no Brasil e que tem por costume presentear os melhores alunos com um livro ao final do último ano do Ensino Médio. Eu, que sempre fui nerd de carteirinha na escola, ganhei Feliz Ano Velho. Lembro que li em uns 2 ou 3 dias e fiquei fascinada. Então, vamos à resenha!

Livro Feliz Ano Velho

Resenha:

Feliz Ano Velho foi lançado em 1982 e foi escrito por Marcelo Rubens Paiva, filho do ex-deputado federal Rubens Paiva, que sumiu durante a Ditadura Militar. O livro conta a história de vida do autor, que em 1979, aos 20 anos de idade, viu sua vida mudar radicalmente após mergulhar de cabeça em uma lagoa, poucos dias antes do Natal. Mergulhou, bateu a cabeça, ouviu um zunido e desde então, ficou tetraplégico. Essa sequência de fatos, contados logo no início do livro, despertam no então jovem Marcelo, um autor capaz de contar uma história profunda e rica em detalhes.

Obviamente é um fato triste, mas o livro não é narrado sob uma ótica de pena. Marcelo era um garoto de 20 anos, de uma família de classe média alta, que costumava viver a vida aproveitando os exageros da juventude: namorando muito, saindo, cercando-se de amigos e sempre à procura de diversão.

Após o acidente, ele é socorrido pelos amigos (talvez o resgate desajeitado tenha agravado um pouco o quadro), levado ao hospital e a princípio não entende a gravidade de seu problema. Com o passar do tempo, e após muitos diagnósticos meio confusos e incertos sobre sua recuperação, o tédio o domina completamente. A narrativa é cheia de reclamações extremamente realistas, com muitas gírias, alguns palavrões, etc. Quem está lendo começa a se sentir dentro do quarto de hospital com Marcelo, como se estivesse assistindo ao vivo por tudo o que ele passa.

O livro mescla histórias do passado, cheias de exageros, experiências, sexo, baladas e até mesmo algumas referências ao uso de maconha.

É uma história muito pessoal, que consegue mostrar o drama desesperador que Marcelo vive, mas também consegue fazer rir com as lembranças do passado que ele descreve. A cada nova visita que ele recebe no hospital, mais memórias vem à tona e todas contadas de uma maneira que funde passado e presente, e ás vezes o leitor pode se confundir com a linearidade dos fatos.

Feliz Ano Velho conta sobre um período de 1 ano da vida do autor, a partir do acidente. Marcelo, vezes cheio de revolta, outras cheio de dúvida, outras desejando morrer, tem o desafio de enxergar a vida a partir de sua nova condição.

Na minha opinião, é um livro intenso, emotivo, pesado em alguns momentos, mas, extremamente verdadeiro e realista. Acho que em várias situações que mudam a vida completamente, todos nós nos vemos diante da necessidade de encontrar formas de desafiar os problemas e passar a enfrentar a vida apesar dos acontecimentos, acredito que todas as pessoas passam por situações onde precisam reaprender a ver o lado bom da vida e descobrir forças para simplesmente seguir em frente, acho que esse é o ponto da virada, quando as pessoas aprendem a continuar, independente do que lhes aconteceu.

O acidente desafia Marcelo a reaprender a encontrar sentido na vida.

Foi um dos melhores livros que já li.

Bjs,

Izabella